Vocabulário de rua e temático das toxicodependências

 

 

AA                 Alcoólicos Anónimos, Corpo Santo – aplicam o método Minnesota

Abébia   Mentira, história, tanga, couros.

Abstinência     Deixar os consumos, síndroma de abstinência

Ácido          Substância sintética alucinogénia, LSD 25, usada para a trip e para o crak

Adicto   Dependente, dar nela. Termo usado nos Aa, Na e Fa.

Agarrado         Dependente de uma ou mais drogas, junkie, papétrio, adicto.

Água               Policia, “vem aí a água

Agonista      Medicamento que corta a dor da ressaca sem provocar dependência. Ex.: metadona, Laam, Sobutex (Buprenorfina).

Aleixo    Bairro do Porto

Algifenes         Fármaco analgésico, Algifene

Algodão      Algodão utilizado como filtro na preparação da dose injectável de droga. A partir de um algodão usado pode fazer-se uma lavagem e recuperar assim  resíduos para uma nova dose (filtro).

Alto limiar   Tratamento que exige abstinência, como tal é concedido a um utente que é capaz de se controlar ou que tem uma família que o enquadre.

Analgésico Tipo de medicamento usado no tratamento da dor. Para os consumidores, estes medicamentos têm o interesse de os ajudar a vencer a ressaca suportando a dor. Ver medicamentos.

Anfes          Anfetaminas. Fármacos psicoestimulantes e anorexígenos.

Ânsia                    Sofrimento psicológico causado pela privação de heroína ou outras drogas (Craving).

Antagonista Tipo de medicamento que satura os neurónios impedindo a chegada das sensações da heroina, e álcool, ao cérebro. Protege e age contra o desejo. Quando se consome heroína e se tome antagonista há o perigo grave de overdose. Não há antagonistas para a coca. São antagonistas da heroína: antaxone, basinal, nalorex, sobutex e estrelique. Antagonista das benzodiazepinas: anexate.

Anorexígeno.Tipo de medicamento, consulte lista, para o tratamento do peso. Impede que as sensações da fome cheguem ao cérebro. Para os consu-midores tem o interesse de ajudar a vencer a ressaca diminuindo a dor.

Artanes       Artane ® fármaco antiparkinsónico.

Ascórbico   Ácido que se encontra nos citrinos (vitamina C) usado para dissolver a heroina evitando embolias e infecções (127)1*

Atacar         Prostituir-se.

Ataque        Prostituição.

Atracar        Puxar e travar o fumo.

Aviado        Fornecer droga. “ Bem aviado”: boa quantificação da droga face ao preço, ferrado; “mal aviado”: ser vigarizado.

Bacalhau     “Dar um bacalhau”: injectar heroína, chuto, caldo, balázio.

Bad- trip      Má viagem; sensações angustiantes ou horríveis provocadas pelo LSD ou outros alucinogénios.

Badalo        Injectar heroína, chuto, bacalhau, badalo, balázio.

Bafinho       Chinesa, fumar heroína.

Bafo            Chinesa, fumar heroína.

Baixo limiar Tratamento que não exige abstinência sendo atribuído a um utente incapaz de se controlar e que não tem ninguém que o apoie no tratamento. Recebe metadona para evitar que a situação sanitária se degrade mais – manutenção de danos.

Balázio        Injectar heroína, chuto, bacalhau, badalo, balázio.

Bandeira      Dar nas vistas

Banhada      Dar ou levar uma banhada: vender outra substância como se fosse droga. Pagar e não receber a droga. Conseguir no acto da compra, não a pagar, dar a boca, papa grupos, dar o banho, ferrado.

Barbitúricos Comprimidos hipnóticos barbitúricos, ou mesmo outros comprimidos sedativos, tranquilizantes ou hipnóticos não barbitúricos.

Baril            “ Porreiro”, agradável.

Base            Mistura de cocaína com bicarbonato de sódio ou amoníaco e água. É aquecida e posteriormente arrefecida. Por filtragem obtém-se cristais, pedrinha, branca pronta para snifar no caneca ou na prata com uma nota enrolada. Tem um cheiro característico parecido com um fumeiro, carne fumada. Torna-se uma droga barata porém mais agressiva para o organismo que a coca.

Bazar          Fugir, dar de frosques, dar de pino, sair de casa, desbroncar

Bater           Sentir o efeito da droga, feeling.

Bater um couro Mentir; contar uma história para obter dinheiro, abébia.

Baptizar       Iniciar na droga.

Bétinho       O que não se droga, careta, estar fechado.

Beto            O que não se droga, careta, estar fechado, bétinho

Besana        Embriaguez, buba.

Bezegol       Haxixe com muito óleo.

Bezerrar      Estar sonolento sob o efeito da droga.

Bico            Sniff.

Biquinha      Bairro dos arredores do Porto.

Bófia           Polícia, chui, monaria, moina, broa, chota, judite.

Boi              Marijuana.

Bolha          O aquecimento da heroina transforma o pó em líquido cujo fumo será inalado. “Olha a bolha”- expressão irónica reveladora do fascínio que o brilho dessa bolha exerce junto dos heroinómanos, sedução e atracção “irresistíveis”.

Bomba        Heroína quase pura. Referência ao modo de consumo: seringa.

Borregar      Adormecer, ficar sedado.

Branca        Cocaína base.

Broa            Moca, está com a moca.

Broca          Charro.

Brown         Heroína acastanhada; n.º 3.

Brown-sugar Heroína acastanhada.

Bué             Muito, intenso.

Buba           Embriaguez, besana.

Bufar           Denunciar, chibar.

Buprexes     Buprex fármaco analgésico.

Burra           Heroína, cavalo, castanha.

Buscar-se à vida Fazer expedientes para arranjar droga, fazer-se à vida.

Caldar         Injectar-se com droga.

Caldo          Dose de heroína injectável; chuto, picar, balázio, badalo, bacalhau, tirito.

Camelo       Transportador internacional de droga. Correio.

Cannabis     Planta herbácea a partir da qual se obtém a erva das folhas e flores, o haxixe da resina e das extremidade e óleo de haxixe, chamom.: Cannabis sativa.

Canalização Veia ,cano.

Caneca (o) Garrafa para fumar “base” (cocaína).

Cano           Veia, canalização.

Caramelo     Fazer o caramelo: fase de preparação da chinesa, heroína fumada, comprimidos.

Carência      Privação de droga, ressaca.

Careta         Aquele que não se droga e , por isso, é considerado conservador, desprezível e desinteressante: beto, bétinho, oposto a freak.

Carica         Tampa de cerveja de litro onde se prepara o caldo, chilon.

Casal           Casal Ventoso.

Cassete       Charro, cigarro de haxixe ou de erva, porro, tarolo, parampo, chamom.

CAT           Centro de Atendimento a Toxicodependentes.

Catado        Estar preso, apanhado, detido, encanado.

Cavalete      Heroína, panfleto.

Cavalo        Heroína, burra, cavalete, panfleto, pó, tigre.

Cena           Esquema, consumo, desatino.

Centenário   Variedade de ácidos, comemorativos do centenário da independência dos EUA.

Cerco          Bairro da Sé ( Porto).

Chamom     Haxixe, joint, parampo, charro.

Charrar        Fumar charros, ganzar.

Charro        Cigarro de haxixe ou de erva, porro, tarolo, chamom. Parampo, cassete

Chavalo       Jovem, “ gajo”.

Cheirinho    Fumar heroína,  chinesa.

Cheiro         Sniff , inalação de drogas, colas ou outros produtos voláteis, fumito.

Chibar         Denunciar, bufar.

Chibo          Denunciante.

Chica          Injectar heroina (e não fumar). O efeito é mais brusco , como uma pancada. Assim se chama a este facto: martelo, máquina ou seringa.

Chilom        Cachimbo para fumar droga.

Chinar         Agredir com faca ( chino = canivete).

Chinesa       Fumar heroína, dar ou fazer uma chinesa: dar na  prata, cheirinho/ oposto a martelo (chinesa: referência à proveniência do ópio).

Chocolate    Haxixe em placas, sabonete.

Chota          Polícia, chui, ramona, monaria, mono.

Chui            Polícia, judite, nívea, ramona, chota, monaria, mono

Chuto          Injecção endovenosa de droga, bacalhau, badalo, balázio, picar, caldo, fixo, meter. Ver sala de  chuto.

Chuto de sal Injecção endovenosa de água e sal, com que os toxicodependentes dizem tratar os estados de coma provocados por overdose de heroína.

Coca           Cocaína, branca, gulosa, júlia, neve. É um componente do crack, base e speed ball.

Cocaína      Pó cristalino branco com efeitos psicoestimulantes extraído a partir de um arbusto: Erythroxylum Coca. O princípio activo, sintetizado em 1862, é a dextrococaína, alcalóide da resina das folhas. A cocaina queimada cheira a fumeiro intenso. Insolúvel na água.

Cocktail      Mistura de drogas, speed ball (heroína + coca).

Cócó          Bétinho, aquele que não consome, fechado, careta.

Coche         Pouco.

Codeína      Fármaco alcalóide derivado do ópio: metilmorfina.

Cola            Colas voláteis que são inaladas como droga.

Colher         Pôr na colher: fase do processo de preparação do chuto, carica.

Coffies        Comprimido de caféina

Controle      O que vende droga.

Corpo Santo Narcóticos Anónimos, FA ou AA.

Correio       Transportador de droga

Cortar         Falsificar droga, juntando outras substâncias à heroína- ( gesso, farinha, talco, caféina, paracetamol (aspirina), efedrina, lactose, estricnina, barbitúricos, piracetam...) à cocaina- (manitol, lactose, procaína, lidocaína, benzocaína, tetracaína, anfetaminas ou feniclidina) para aumentar o volume e o peso.

Cotas          Pais ou outros adultos.

Crack          Mistura de cocaína, heroína e ácido, eventualmente misturado com tabaco.

Cristal         Fenciclidina.

Cura            Desintoxicação, desabituação ( limpeza fisiológica, demora cerca de 5 dias).

Curro          Haxixe, em Lisboa.

Curte           Acontecimento agradável.

Curtir          Sentir o prazer da droga; ter prazer; gostar, high, moca.

Dar             Consumir, dar na fruta.

Dar a boca Enganar; roubar na qualidade e na quantidade de droga; tirar benefício material, bandeira, banhada, papa grupos, mal aviado.

Dar de pino Sair do local; sair de casa, desbroncar, dar de frosques, bazar.

Dar na china Fumar heroína, consumir chinesas, oposto a picar, chutar.

Dar na fruta Drogar-se, dar

Dar nela       Drogar-se, adicto.

Dar no pó    Consumir heroína.

Dar uma passa. Fumar haxixe ou erva, pica.

Dar no cavalo  Consumir heroína.

Dar o banho     Enganar, banhada, dar a boca, papa grupos.

Dar-se à morte Denunciar-se; entregar-se.

Dealer            Vendedor de droga, controle, dilar.

Dependência   Quando se é consumidor de heroina provoca dores físicas horríveis.

                                            cocaína            desejo psicológico forte.

 O dependente consome para evitar a dor da ressaca e já não para sentir prazer.

Desabituação Desintoxicação em internamento, tratamento do síndroma de   privação, cura

Desatino        Conflito; complicação.

Desbroncar   Sair de casa, clarificar a cena, dar de pino, bazar.

Desbunda      Consumo exagerado numa vivência expansiva.

Descida           Regresso à realidade; retoma da consciência, quando termina o efeito da droga, oposto a flash, batter.

Desintoxicação Limpeza fisiológica, desabituação (internamento de 5 dias).

Desmame        Deixar de consumir, desintoxicar-se.

Desmarcar       Passar; entregar.

Desmarcar da droga Deitar fora.

Destilar           Processo de preparação de comprimidos ou supositórios para os injectar.

Desvainar-se    Mudar de assunto.

Dilar                Negociar em drogas. O dealer aceita dinheiro ou objectos com

                       valor comercial, a título definitivo ou como penhora – dealer.

Diluente           Solventes.

Dininteis          Dinintel ® fármaco anorexígeno.

Dispensar        Vender droga “por favor”, representar.

Dorlises          Dorlise ® fármaco analgésico.

Down              Depressão. “Estar em baixo” oposto a curtir, high.

Drenures         Drenur ® fármaco anorexígeno.

Drogarias        Drogas.

Drogas duras   Provocam grande dependência física e ressaca difícil, heroína, coca, álcool, medicamentos (ver medicamentos)

Drogas leves   Provocam pouca dependência física e a ressaca é leve: erva, haxixe

Drogas frias    Referência a drogas psico- estimulantes (coca, enfetaminas) ou perturbadoras (hax, LSD, solventes).

Drogas quentes Referência a drogas sedativas – heroína, barbitúricos.

Drogas lícitas Legais: álcool, solventes, drunfos, metadona, morfina, caféina, tabaco...

Drogas ilícitas       Ilegais:  haxixe, heroína, cocína, lsd, ecstasy...

Drunfar           Estar “embriagado” com hipnóticos ou outros sedativos, habitualmente associados a bebidas alcoólicas para aumentar o efeito. Consulte lista de medicamentos.

Drunfos          Comprimidos de metaqualona ou sedativos, hipnóticos.

Ecstasy           sintetisada em 1912 por Merk, alucinogénea e anfetamínica, droga psicadélica (como a mescalina e LSD), não produz alucinações visuais. Provoca sede e perda de apetite. Não provoca dependência física mas psicológica. Consumindo regularmente pode provocar ataques de pânico, insónia, confusão, náuseas, tonturas, depressão, paragens cardíacas, etc. Pouco se sabe actualmente sobre esta droga. Não se deve tomar bebidas alcoólicas. Outros nomes: MDMA, EXT, X

Empenhar        Entregar ao dealer, a título provisório, objectos de valor como garantia de pagamento.

Encanado        Estar preso, detido, dentro, catado, apanhado.

Enrolar            Enrolar um charro; fazer um cigarro com haxixe ou erva.

Entrar no pó    Iniciar o consumo de heroína, baptizar.

Erva                Marijuana: derivado da cannabis (folhas e flores).

Erva do diabo Planta a partir da qual se prepara um chá, com efeitos alucinogéneos, figueira do inferno, estramónio.

Escura            Bairro da Sé (Porto).

Esquema         Tráfico de droga. Processo ardiloso de obter dinheiro ou outro benefício, cena.

Estar careta     Aquele que não se droga, fechado, bétinho, estar fechado.

Estrelique      Antagonista utilizado no tratamento do síndroma de privação de Estulic ®        opiáceos Guanfacina – Medicamento alfa 2.

Estar fechado Não praticar o consumo de drogas, bétinho, careta.

Estramónio      Erva do diabo (cacto), figueira do inferno.

F.A.                Famílias Anónimas ( narcóticos anónimos).

Falta               Carência, ressacar.

Fatela              O que não presta.

Fazer a cabeça Impingir ideias.

Fazer um leitor Roubar um leitor de cassete de um automóvel

Fazer uma cena Consumir; fazer um esquema, fazer-se à vida.

Fazer-se à vida Expedientes para arranjar dinheiro para a droga.

Fazer uma lavagem. Aproveitar algodão já usado num caldo anterior, sem juntar

                       mais droga, para extrair esses restos e injectar novo caldo.

Febre do limão      Síndroma febril, passageiro, atribuído pelos toxicodependentes á utilização de limões deteriorados na preparação do chuto de heroína, limões com vários dias.

Fenciclina        Analgésico potente usado em Medicina Veterinária provocando graves efeitos alucinogéneos se aplicados ao homem..

Fentanest ®     Fentanyl ® fármaco analgésico. Ver medicamentos.

Ferrado           Dose com menor quantidade de droga que o devido: mal aviado, banhada, roubo.

Figueira inferno. Erva do diabo, estramónio.

Filar                Aproveitar-se.

Filtro               Algodão.

Fixo                Dar um fixo: injectar-se na veia, chuto, bacalhau, badalo, balázio.

Flash               A injecção de coca produz dois efeitos: o 1º, quando esta chega ao cérebro e ao coração, produz-se um efeito súbito, louco e intenso. Dura cerca de 2-4 minutos Relâmpago psicológico.

             O 2º é o “speed”: sensação de prazer, calor, euforia, energia, supressão de angústia e incapacidade de concentração. Pode durar

                  3-4 horas. 2

Flash – back   Retorno de um quadro alucinatório, angustiante, algum tempo (semanas ou meses) após ter parado o consumo de drogas.

Flipanço          Perturbação psíquica grave, durável, provocada pelo consumo de drogas.

Flipado           Estar fora da realidade.

Flipar              Psicotizar; enlouquecer.

Flipe               Chatice, aborrecimento.

Formiga          Passador de droga, correio.

Freak              Consumidor de injectáveis, janado, dar na fruta, junkie / oposto a careta.

Fringas            Fringanor ® fármaco anorexigeno.

Frosques         Sair de casa, dar de frosques.

Fumado          Estar fumado: estar sob o efeito de droga fumada.

Fumito            Fumar droga, sniffar, cheiro, dar um fumito

Ganza             Droga, fumar uma ganza: joint charro.

Ganzar            Sentir o efeito da droga. Fumar erva ou haxixe.

Garrote           Cinto para apertar o braço fazendo sobressair as veias para se picar. Também se usa  uma gravata, atacador, laço, etc. Fazer um garrote.

Gazoza           Cachimbada de cocaína base.

Gold               Heroína n.º 4, muito pura.

Guerra à droga      Política proíbicionista e repressiva optada por vários países, promovida sobretudo pelos EUA após o Congresso de 1961 (momentos áureos: presidência de Nixon e a detenção de Noriega1

Gulosa     Característica da cocaína, (é sempre a meter, só pára quando acaba o dinheiro).

Hax                Haxixe, curro.

Hax de placa   Haxixe proveniente dos pedaços que se libertam do sabonete aquando do corte.

Haxixe         Resina das extremidades da cannabis, THC (Tetra hidrocannabinol).

               Há muitas variedades de haxixe: holandês, marroquino, sem semila (USA), bombaim, libanês, etc, pintor, tablete, taco (diferente de erva, marijuana, liamba).

Heroa      Heroína de rua, n.º 2.

Heroína    Mulher corajosa e com nobreza de sentimentos, grandeza de alma e do caracter”. Recebeu este nome com esta conotação “por causa da grande eficácia da droga”[1] Formula: C21H23NO5. Opiáceo semi sintético, sintetizado em 1874*, diacetilmorfina, cloridrato de diacetilmorfina: nome comercial, pó cristalino, branco solúvel na água, sabor amargo (como a metadona), derivado da morfina, (2 x mais potente que a morfina). Produz efeitos psicotrópicos: tolerância e dependência como a morfina1 (54). Na absorção,  a heroína transforma-se em morfina1 (48). Usada na Inglaterra no ttt da dor, cancro. Em Portugal usa-se  a morfina e derivados. O perigo para o organismo reside mais no produto de corte que na heroina 1 51. Índice de fundição:232º

Variedades:    Heroína n.º 1 – muito fraca, poeira;

Heroína n.º 2 – heroína de rua – heroína cortada com produtos       adulterantes para aumentar o peso alterando a qualidade para aumentar o lucro;

Heroína n.º 3 – brown (castanha);

Heroína n.º 4 – gold (branca), muito pura, bomba. (usada na G.B. no tratamento da dor). Sinónimos: poeira; burra, cavalo, cavalete, panfleto, papel, papa, papeleto, pó).

Heroína, fases do desenvolvimento comercial

1 Sintetizado em 1898 pela Bayer*;

2 Em 1920, proveniente da Alemanha, instala-se nos gettos de Nova Iorque.

3 Inúmeros G.I. da guerra do Vietnam regressam “agarrados”. Parte destes desintoxicam-se “espontaneamente”. Outros nunca se limparão.

4 Anos 50-60, geração hippy. Com a marijuana e o LSD, a heroína estende-se nos campus universitários 1

Heroina, momentos em que foi prescrita: 1 60

Amestardão: - Centro de acolhimento clandestino, 1975-82.

-“Dealer a domicílio”, do Departamento de Saúde Pública,             1979, houve três cafés de heroina dos quais 2 arderam. Este programa  durou 18 meses.

- Entre 83 – 87, 37 pessoas receberam morfina num quadro             terapêutico de 2 anos.

Inglaterra:    desde sempre os médicos, e certas clinicas, puderam prescrever               tanto heroina, como morfina ou coca durante um tempo indeterminado, “British system”. O tráfico desenvolveu-se após os anos 60. A partir de 1967 os consumidores devem estar inscritos no Mistério do Interior para receber a receita. Os médicos só podem receitar mediante autorização especial, assim como as clinicas de Warrington, Liverpool e Widnes.

USA:   Certos estados do Sul, como a Luisiana são mais permissivos e mesmos incentivados pelas autoridades. Os do Norte são mais restritivos.

Heroína Med: Consulte lista de medicamentos que contêm opeáceos

High            “Estar high”: bem- estar sob a sensação de uma droga, curtir.

O contrário de “Estar down”.

Hipocrisia    Atitude “proibicionista” de certos estados que acentuam o combate à droga na repressão esquecendo e fingindo ignorar interesses político – militares; certos relatórios e experiências científicos como o “Le Dain”, certas clinicas como Widnes na G.B; Shreveport nos EUA. A repressão policial marginaliza e “vitimiza” o toxicodependente. 1 (118)

História       Mentira, abébia, bater couros.

In                “Estar in”: estar na moda.

Inê              Cosmético que se confunde com hax sendo vendido como tal.

Janado         Drogado, freak, dar na fruta.

Joint            Charro, ganza, chamom.

Judite          Polícia Judiciária, chui.

Julia            Cocaína, neve.

Junkie          Dependente grave que se injecta, freak, agarrado.

Kit              Conjunto de acessórios distribuídos aos toxicodependentes onde se inclui seringa, algodão alcoolizado, ácido ascórbico e preservativos 1 (127) .

                   Bolsas, na posse da Brigada de Trânsito desde 1999, para detectar estupefacientes ao volante. Contêm instrumentos de recolha de urina e sangue. Por dificuldades dos hospitais e de regulamentação das substâncias, o início dos testes tem-se adiado repetidamente.

LAAM        Levo Alfa Acetil Metadol, fármaco opióide de síntese utilizado nos tramentos de substituição da heroína. O metabolismo é mais lento que o da metadona, (48-72h)o que permite reduzir o n.º de tomas semanais (3). Cuidado com o fígado. Portugal é o único país europeu a prescrever o Laam.

Lamela        Blister ou placa de comprimidos ou cápsulas.

Lavagem      Recuperar restos de heroína no algodão de lavagem e na seringa lavando-os para injectar novamente. Fazer uma lavagem, dar uma lavagem Droga de “pobre”.

Liamba        Erva (Angola).

Lipos          Lipoperdur ® fármaco anorexígeno.

LSD            Produto de síntese com efeitos alucinogéneos: dietil amida do ácido lisérgico, ácido: LSD 25

Maconha       Erva (Brasil), Liamba (Angola).

Mandar sabão       Sermão.

Mandraxes    Mandrax ®: fármaco hipnótico acalma, torna cool.

Máquina        Seringa.

Marijuana      Erva, maconha (Brasil), liamba (Angola).

Martelo         Injectar heroína, seringa ( o efeito é repentino como uma martelada).

Meia              Dose de droga (1/2 grama) cerca de 5 pacotes, 1000$ cada em Dezembro 2000

Meio             Ambiente onde circulam drogas.

Merda           Drogas,  veneno.

Mescalina      Alcalóide alucinogéneo extraído do cacto Peyote.

Meta (Metadona)   Fármaco opióide 100% sintético, sintetizado na 2ª guerra para  reforçar a morfina junto dos militares alemães. As crianças nascidas de mães que tomavam metadona, têm elevado incidência de morte súbita. A metadona é um narcótico utilizado no tratamento de substituição da heroína, agonista.

                     Carateríasticas da metadona: baixo poder sedativo e euforizante; bloqueador de outros narcóticos ( é frequente iniciar-se consumos de cocaína nestes casos); metabolização lenta (cerca de 36 horas). Estas características permitem que um toxicodependente, com este tratamento, tenha uma actividade profissional normal e adaptada

Meter            Consumir droga por via oral ou endovenosa, chuto, fixo, bacalhau, badalo, balázio.

Meter os pés Enganar-se, banhada.

Miose            Redução das pupilas, sinal de intoxicação crónica, consumo

Moca            Estar com a moca: estar sob o efeito da droga, curtir.

Monaria         Polícia, chui, bófia, judite.

Mono            Polícia, chui, bófia, judite.

Morfa ( Morfina)   Morfeu é o nome de um deus grego (Morfeu: deus dos sonhos, filho de Sono e de Noite, irmão de Fantasias e de Fobetor). Fármaco alcalóide derivado do ópio sintetizado em 18031 por Aerosne (18172). Formula:C17H19O3N. O princípio activo é o ópio, provoca tolerância e dependência (= heroina, não na metadona). Após a Convenção de 61 apenas a morfina continuou a ser usada no combate da dor visto que a heroína deixou de poder ser prescrita por médicos.

Morfinismo Os primeiros dependentes, foram os da morfina, na sequência de amputações e uso prolongado do analgésico: morfina 1 82

Mybsais      Mybsal ®: fármaco anorexígeno.

Na               Narcóticos Anónimos, Corpo Santo.

Nalorexes    Antagonista opiáceo Nalorex ® fármaco.

Naloxona     Antagonista opiáceo Narozan ® fármaco.

Naltrexone   Cloridrato de Naltrexona: base dos antagonistas.

Neve           Cocaína, júlia, branca.

Nóias          Ideias prevalentes, medos, preocupações, paranóias.

Óleo            Óleo destilado da cannabis, haxixe (Haxixe oleoso = boa qualidade).

Onda           Estar na onda; estar nessa; estar sintonizado com..., de acordo com. Atitude condescendente ; escolha.

Ópio           Exsudado seco obtido por incisão da cápsula da papoila, quando verde (Papaver Somniferum Álbum).

Oralines       Oraline ® fármaco analgésico.

Overdose    Excesso acidental ou intencional de droga. Intoxicação aguda.

Palha           Dose de heroína embalada num pedaço de palhinha de sumos.

Panfleto       Pequena dose de heroína, embalada em plástico: cavalo, cavalete, papel.

Papar grupos        Ser enganado, banhada, bandeira, dar a boca.

Papeleto      Pequena dose de heroína embalada em mortalha, papel (já não se encontra no mercado).

Papétrio       Agarado, junkie.

Panteras      Variedade de LSD.

Paragem      Suspender os consumos, parar, fazer uma paragem.

Paranóias     Ideias persecutórias desencadeadas pelo consumo de drogas psico- estimulantes ou psicodislípticas. Medos, desconfianças.

Parampo      Charro, chamom, joint, passa.

Parar           Suspender o consumo da droga, sair.

Partir           Início da alteração de consciência provocada pelo uso de alucinogéneos.

Passa          Fumar erva ou haxixe, pica, dar uma passa.

Passado      Flipado, drogado.

Passador     Vendedor de droga.

Passar         Vender droga, desmarcar, entregar.

Pastilhas      Comprimidos.

PCP            Fenciclidina; “pó de anjo”.

Pedra          Pedaço de haxixe. Estar com a pedra: estar drogado.

Pedra de hax Pedaço de haxixe.

Pedrado      Estar drogado com haxixe ou drogas sedativas, moca, pingo, stone.

Pédrinha      Base de cocaína para snifar no caneco

Pesexes       Pesex ® fármaco anorexígeno.

Petidina       Fármaco analgésico de síntese, tipo opióide / uma pessa de chamon.

Pica             Charro, tens um pica?

Picar           Injectar droga na veia, chutar.

Pico            Injecção na veia.

Pingo          Ficar a pingo: estar sob o efeito da droga, completamente fora, partir, pedrado.

Pintão          Maniento; “cagão”.

Pintor          Dose de haxixe. Cem escudos (fora de mercado).

Pirâmide      Variedade de LSD.

Pistola         Injectar-se: seringa, máquina.

Planar          Estar tranquilo, sob o efeito de cannabis ou opióides.

              Heroína de rua, papa, cavalo, burra, pafleto, papel.

Pó de Anjo Fenciclidina.

Poeira          Heroína de rua – a de menor qualidade, a mais adulterada, traçada.

Porro          Haxixe, charro.

Prata           Para queimar e sniffar heroina (chinesa) ou coca.

Prata ou máquina? Fumas (referente à prata onde se queima) ou injectas (referente à seringa)?

Prelos          Preludin ® fármaco anorexígeno.

Produto       Drogas em geral, usualmente heroína.

Psicadílico Referência a drogas, situações, estados mentais com alterações das percepções, tornando-as mais agradáveis, movimentadas, sonoras, coloridas, brilhantes, eufóricas.

Psilocibina   Alcalóide alicinogéneo derivado do cogumelo psilocibe.

Quarta         Dose de heroína, quarteira.

Quarteira     Dose de ¼ de grama.

Queca         Ter relações sexuais, dar uma queca.

Queimar        Aquecer com o isqueiro a heroina ou coca, até fazer a bolha brilhante, cativante e vaporosa cujo fumo será inalado com a ajuda de uma nota enrolada em tubo. (A mais pequena é 500$ = dando origem à ”quinhentola”. (A expressão “prata” equivale a fumar, opondo-se  a “máquina”  que significa injectar)).

Ramona      Polícia, judite, chui.

Redução de riscos (Harm reduction: inglês; Stopper la casse: francês.) Dado que não se consegue a abstinência, “contentemo-nos” com a redução dos riscos provocados pelo consumo de estupefacientes: propagação de doenças infecciosas e delinquência. Foi este o tema do congresso de Liverpool em 1990. Nesta cidade a marca de modas Mark & Spencer constatou que a política da prescrição de opiáceos reduzira os furtos no seu armazém. Esta marca financiou o congresso e promoveu o desenvolvimento desta política, com o apoio da polícia. O objectivo terapêutico privilegia o contacto com o consumidor, a melhoria do seu estado físico e sanitário e sobretudo a prevenção do hiv e hepatites1 97, deixando a abstinência para segundo plano. É o que se fez em Platzpitz, Suíça, entre 87 e 92 distribuindo-se kits: seringas, preservativos, cuidados de base para evitar a propagação do hiv e vacinas contra a hepatites, bebidas quentes e frutos.

Reflexo condicionado Todos os hábitos adquiridos e mantidos pelos consumos: Ex: ir a horas certas aos mesmos locais, ver e estar com as mesmas pessoas, manejar instrumentos como a prata, isqueiro, picar, peregrinar arduamente durante horas até obter o dinheiro. Comentar: “ai a bolha!!! olha o caneco!!! Aquilo é que é um traço!!!”

Numa experiência científica, a auto administração de um placebo produziu efeitos semelhantes aos da morfina nos consumidores assim como em ratinhos de laboratórios; 1 55. O efeito de um chuto após 4 horas de busca frenética não é o mesmo que uma injecção de “boa” heroina a horas regulares e receitada por um médico, 1 194. É uma das explicações para quem prefere comprar pó, tão caro a quem tão pouco tem, quando na realidade pode ter a metadona gratuita. A espera nos postos de saúde para receber a metadona não deve ser um reforço positivo.

Refundir      Vender, desfazer-se, trocar por droga, “dar” uma parte da droga à polícia para que o resto passe. Esconder

Representar Oferecer droga, dispensar, vender por favor, dar e consumir juntos.

Ressaca      Privação, síndroma de carência. Sensação de mal-estar psíquico (nos consumidores de coca) ou físico (nos consumidores de heroina) após suspensão do consumo de droga. Provoca  desejo de droga, ansiedade, bocejos, suores, lacrimejo, corrimento nasal, pupilas dilatadas, arrepios de frio, náuseas, falta de apetite, insónia, diarreia, dores abdominais, dores lombares, dores musculares, agitação. Pode durar 3 a 4 dias, excepcionalmente um mês. Estas dores são tão fortes que podem transformar um heroinómano num autentico “bicho” capaz de vender mãe, filhos... O único interesse é a heroina custe o que custar.

                   Nos consumidores de heroína a ressaca surge entre 6-12 horas após a última toma terminando 24-72 horas (dura 6-10 dias). Na metadona (12dias) e no laam pode durar 3 semanas

Roipes        Rohypnol fármaco hipnótico.

Roipar         Estar drogado com roipes, drunfar com roipes.

Roulottes    Roulotes de venda de alimentos na madrugada de Lisboa.

Sabão         Sermão

Sabonete     250 gramas de haxixe.

Sala de chuto Estabelecimento onde se pode injectar heroína.. Há dois tipos: 1º o utente leva o pó que adquiriu para que a qualidade seja controlada, tem uma consulta médica, recebe um kit e vai injectar-se. É este o modelo previsto para Portugal, Espanha; no 2º: os critérios de admissões são definidos e limitados por lei. O consumidor inscrito e admitido tem uma consulta médica, recebe a heroína gratuita e um kit. Pode ter que responder todos os 6 meses a um inquérito sobre o seu próprio comportamento relacionado com a delinquência.

A grande diferença entre o 1º e o 2º é esta: o 1º modelo gera à sua volta um Casal Ventoso – é o que aconteceu na Holanda, na Alemanha e em Zurique em 1982: concentração de consumidores faz comércio e este faz delinquência. O 2º tem a vantagem de extrair o caracter delinquente associado ao consumidor e tratá-lo apenas como doente. Dissocia doença e delinquência. Em segundo lugar tem a particularidade de subtrair o cliente ao dealer dando a heroína, faz concorrência directa ao dealer, ver política suíça.

Este conceito, salas de chuto,  está ultrapassado visto que a tendência actual, felizmente, é para sniffar e fumar mais que injectar. Assim estas salas são “úteis”  a uma minoria dos consumidores urbanos – é também esta minoria quem corre mais riscos.

Esta política, mesmo sendo “cobrir o sol com uma peneira”, é um percurso inevitável e incontornável. Temos que passar por aqui. Dentro de 10 anos falaremos de heroína como hoje falamos de álcool. Que seria da sociedade se o álcool fosse 5 vezes mais caro? A heroína é mais cara que o álcool cerca de 10 vezes.

Salas           Reuniões dos N.A.

Sair             Deixar de consumir droga, parar.

Sedexes      Sedex fármaco hipnótico.

Ser              Comunidade da Associação SER.

Sniff, sniffar Aspiração nasal de cocaína, heroína, colas ou solventes.

Sindroma de abstinência ou de privação, mal estar que surge algumas horas após interrupção de um tratamento ou algumas horas após o último consumo, ressaca. Comportamento aparatoso ao qual os toxicodependentes, por vezes, recorrem para extorquirem mais dinheiro a familiares inexperientes,   mantendo o circuito. Não se morre de uma ressaca

Sobutex      Medicamento agonista e antagonista. Usado inicialmente em França e agora em Portugal. Este medicamento é muitíssimo controlado.

Solventes    Substâncias voláteis: éter, benzina, diluentes, gasolina, acetona e outros.

Somnios      Somnium: fármaco hipnótico.

Soruma       Erva de Moçambique.

Sosegon      Fármaco analgésico.

Speed         Droga psico – estimulante ex. coca, anfetaminas. Segunda fase do efeito da injecção da coca, correspondendo a sensações agradáveis, calor, energia, furor durante 3-4 horas (1º momento = flash)

Speed ball Mistura de uma droga estimulante (coca) com uma droga sedativa (heroína)  via I.V. É frequente usá-la num sentido comemorativo para festejar um certo tempo de abstinência já conseguido e reiniciar “inocentemente” o consumo.

Speed cristal Variedade de anfetaminas injectáveis.

Stone          Estar stone: estar muito pedrado, com  moca, pingo.

Subir           Fase inicial no consumo de ácido. Sentir subir: sentir os efeitos iniciais da droga.

Submarino   Mistura de bagaço com cerveja.

Tablete        Placa de haxixe, chocolate.

Taco           Pedaço de haxixe, tablete, chocolate.

Tanga          Mentira, história, abébia, couros.

Tarolo         Charro, porro, chamom, cigarro de haxixe.

Tigre           Heroína, cavalo, pó.

Tirito           Caldo, chuto, heroína injectável.

Tirante        Fio de ouro.

Toínha        Fumo, fumito.

Tolerância   Necessidade de aumentar progressivamente a dose para obter o mesmo efeito. O fenómeno da tolerância não é linear. A partir dum dado momento não necessita aumento de dose. Por outro lado, experiências revelaram  que um placebo produz efeitos semelhantes à morfina quando auto injectado, como se estivéssemos em presença de um reflexo condicionado, 1 55.

Toxicomania Impulso irresistível ao uso de certas venenos, por amor e sensações anómalas por eles produzidos. Hábito mórbido de toxicos excitantes ou calmantes do sistema nervoso como o ópio, cocaína, cânhamo, álcool, anfetaminas, etc. Deve-se distinguir toxicomania (tendência patológica e invencível para tomar repetida e exageradamente certa substância toxica) e intoxicação (consequência do acúmulo agudo ou crónico dessa substância (ou dos produtos de corte) no organismo)

Traço(a)      Porção de cocaína em linha, para ser sniffada. Dar um traço: referência à quantidade de droga injectada (0,1 ml por traço nas seringas de insulina).

Traficante    Negociante de droga.

Tráfico        Comércio de droga.

Tranza         Venda de droga, negócio ardiloso.

Tranzar       Vender droga., fazer esquemas.

Tratamento de substituição = manutention Prescrever um agonista (metadona, laam ou buprenorfina) ou um opiáceo (heroina, morfina) a um consumidor quando outros tratamentos não resultaram ou quando o utente ainda não está preparado para a abstinência. Assim evita-se as consequências negativas da dependência a um produto ilegal, como a delinquência e as doenças infecciosas, adquirindo-se uma vida mais sociável e integrável.

Travar         Reter o fumo nos pulmões.

Travadinha Crise convulsiva; ataque epiléptico.

Tripe           Drogar-se com ácido. Período de perturbação da consciência provocada por alucinogéneos, quando a droga bate, viagem, feeling. Dose de LSD (pastilha).

Tripar          Estar sob o efeito de alucinogéneos, pedrado, moca, stone, viagem, flash.

Usar            Consumir.

Vaipe          Impulso.

Vaquinha     Juntar dinheiro com outra pessoa para comprar droga. Fazer uma vaquinha.

Veneno       Droga. Heroína, merda.

Viagem        Sensações (des)agradáveis causadas pelos alucinogéneos. Tripe, stone, moca.

Vibrações    Sensações causadas por pessoas ou pelo ambiente onde se está. Dar boas ou más vibrações: sensações sob o efeito da droga..

Vício da agulha Ligação específica ao acto de injectar droga nas veias, que pode levar a que seja feito mesmo na ausência de droga, reflexo condicionado.

Vulcões       Variedade de LSD.

 

 



[1] Enciclopédia Portuguesa e Brasileira

* Luís Patricio, 1997: Face à droga como (re)agir.

* Mino, ver bibliografia

1 Enciclopédia Portuguesa e Brasileira e Annie mino

2 L. Patrício



1 Annie Mino et Sylvie Arsever - J' accuse les mensonges qui tuent les    drogués, Paris, Calmann-Lévy, 1996

 

2 Consumo ilícito de drogas, p.23, Gabinete de Planeamento e de coordenação do combate à droga

 

3 Luis D. Patrício: Droga de vida, Vidas de droga, Bertrand, 1996

 

4 C.B. Eap et Baumann, Departement Universitaire de Psychiatrie Adulte, hopital de Cery, 1008 Prilly – Lausanne, Suisse, in Recherches de l’OFSP en matière de dépendances 1996 –98, page 16

5 Enciclopédia Portuguesa e Brasileira

 

Para qualquer comentário, complemento ou mesmo correcção e actualização deste tema tão vivo e em constante evolução agradeço o contacto.

 

Armaneida@net.sapo.pt